MODELAGEM MATEMÁTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL NA ESCOLA NATALINO FERREIRA MENDES
Ter, 08 de Dezembro de 2009 12:10

Prof. Wilton Bento Pimenta

 

 

 

RESUMO: Este texto trata da modelagem matemática no ensino, através de um projeto desenvolvido com alunos da Escola Estadual Natalino Ferreira Mendes, com o objetivo de realizar uma prática interdisciplinar. A atividade realizada envolve a construção de maquete de uma casa com a utilização de conhecimentos que englobam as várias ciências exatas, abordando a respeito da modelagem matemática na construção de casas.

 

PALAVRAS-CHAVE: Modelagem Matemática. Construção de Casas. Interdisciplinaridade.

 

 

A modelagem matemática é vista por muitos como interdisciplinaridade. O professor de matemática busca na modelagem matemática uma maneira de trabalhar o raciocínio interagindo com as outras disciplinas.

Hoje, a modelagem matemática constitui um ramo próprio da matemática que tenta traduzir situações reais para uma linguagem matemática, para que por meio dela se possa melhor compreender, prever e simular ou, ainda, mudar determinadas vias de acontecimentos, com estratégias de ação nas mais variadas áreas de conhecimentos (Maria Sallet Biembengut, 2003).

Segundo Ivani Fazenda, a interdisciplinaridade, que surgiu na França e na Itália em meados da década de 60, num período marcado pelos movimentos estudantis que, dentre outras coisas, reivindicavam um ensino mais sintonizado com as grandes questões de ordem social, política e econômica da época, é uma exigência natural e interna das ciências, no sentido de uma melhor compreensão da realidade que elas nos proporcionam e nos fazem conhecer, impõe-se tanto à formação do homem como às necessidades de ação, principalmente do educador. (Fazenda,1994).

No atual momento, em que a educação busca uma renovação do processo de ensino e aprendizagem, tem que passar, literalmente, pela interdisciplinaridade, visando à globalização de idéias, facilitando a compreensão de mundo.

Com esse intuito a modelagem procura a aproximação de outras áreas do conhecimento, da matemática, numa tentativa de enfatizar a importância da matemática para a formação do aluno, e desenvolver as habilidades necessárias para resolver problemas e estimular a criatividade, pois consiste, essencialmente, na arte de transformar situações da realidade em problemas matemáticos, cujas soluções devem ser interpretadas na linguagem usual.

Até quem não é matemático tem interesse na modelagem matemática, na pesquisa de problemas nas ciências físicas, biológicas e sociais, uma vez que a modelagem matemática não é um investimento de evolução das outras ciências, mas um instrumento que auxilia outras ciências.

Com esse suporte teórico, o projeto em questão tem por objetivo discutir como a construção de uma casa exige conhecimentos sobre modelagem e demonstrar para os alunos, de maneira interdisciplinar, a necessidade de conhecimentos sobre várias ciências para a realização de sua construção. O inicio dos trabalhos ocorreu através de uma discussão informal com os alunos sobre construção de casas, para verificar o que sabem a respeito: O que é preciso para construir uma casa? Como o pedreiro sabe o tamanho e o modelo de uma casa? Onde construir? Em que terreno? Qual a forma do terreno?

O projeto ocorreu através do desenvolvimento da planta baixa de uma casa, verificando como elaborar a escala de uma planta baixa, aprendendo a fazer uma maquete a partir dos conhecimentos adquiridos sobre área, medida de ângulos, formas geométricas, razão e proporção, para orçamento do material de uma casa real, tendo a planta da maquete como base, entrevista com profissionais da construção para colher informações sobre a maneira de se calcular a quantidade de material por metro quadrado de piso, parede ou telhado, levando o aluno a realizar cálculos que envolvam conhecimentos, anteriormente, adquiridos, mas sem a contextualização real.

Na construção da maquete foram abordados, também, temas como conforto térmico, durabilidade do material de acordo com sua composição química, na tentativa de utilizar da modelagem matemática como forma de relacionar as diversas ciências, servindo essa discussão como porta de entrada para os alunos estimularem a sua criatividade e aprimorando o seu conhecimento sobre tal assunto. Para isso foram utilizadas aulas do professor de ciências para esclarecimentos sobre os temas citados.

Durante todo o trabalho, os alunos foram avaliados pelo envolvimento nas atividades, pela realização de tarefas em grupos e pela exposição dos resultados obtidos. À medida que estes eram realizados e pela compreensão que demonstraram dos temas estudados, faziam relações entre conceitos teóricos e as atividades práticas, que neste caso, foram as ferramentas utilizadas para a compreensão dos conhecimentos científicos abordados durante o processo.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 

 

BASSANEZI, Rodney Carlos. Ensino Aprendizagem com modelagem matemática: Uma nova estratégia. São Paulo: Contexto 2004. 

 

BIEMBENGENT, Maria Sallet. Hein, Nelson: Modelagem no ensino. São Paulo: Contexto, 2003.

 

PIMENTA, Wilton Bento. Estudo e Aplicação do Modelo de Verhust para a População do Estado de Mato Grosso. Monografia 2007.

 

FAZENDA, Ivani C. Arantes. Interdisciplinaridade: História, teoria e pesquisa. 1994.

 

 

Agenda da Educação

Outubro 2014
D 2a 3a 4a 5a 6a S
28 29 30 1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30 31 1

Enquete

Que tipo de Formação Continuada você gostaria de receber do CEFAPRO?
 
Free template 'Feel Free' by [ Anch ] Gorsk.net Studio. Please, don't remove this hidden copyleft!