A água como condição de vida: uma reflexão necessária na EJA
Qua, 03 de Outubro de 2012 14:45

A ÁGUA COMO CONDIÇÃO DE VIDA: UMA REFLEXÃO NECESSÁRIA NA EJA

 

Ademir Barbosa

Ceila Benedita

Fátima de Paula Felisbino do Carmo[1]

 

RESUMO: Devido à importância do rio Paraguai para o abastecimento de água, transporte, contemplação, lazer e pesca para cidade de Cáceres despertou o interesse e preocupação em analisar as alterações na margem esquerda do rio Paraguai no perímetro urbano, o uso desordenado e a falta de água na cidade. A referente abordagem trata-se de um trabalho desenvolvido pelos professores da área de Ciências Humanas e suas Tecnologias no CEJA Prof. Milton Marques Curvo. O objetivo foi fazer com os educandos refletissem sobre a importância da água para a sobrevivência do planeta, levando-os a compreender que por falta de consciência e educação ambiental as pessoas estão poluindo essa mesma fonte de vida, jogando lixo às margens do Rio Paraguai; Assim cunhado aos nossos objetivos, desenvolvemos várias atividades de observação, análise, reflexão, descrição e confecção, tais como: levantamento bibliográfico referente aos recursos hídricos e ao rio Paraguai; palestra com acadêmicos de Biologia e Geografia; visita técnica ao Serviço de Água e Esgotos de Cáceres/SAEC; visita a Colônia Z2 de Pescadores de Cáceres; aula campo às margens do rio Paraguai no perímetro urbano da curva do Rio à Praça do Dáveron, na ocasião foram realizadas coletas de resíduos sólidos para atividade de reciclagem, confecção de bonecos, em sala de aula, construção de maquete do rio Paraguai e cartazes informativos para a exposição e socialização com a comunidade escolar mostrando o respeito a que devemos ter com a natureza e com o meio ambiente.

PALAVRAS-CHAVE: Rio. EJA. Preservação.

1. Introdução

A Educação de Jovens e Adultos (EJA) se constitui como uma modalidade de ensino que tem funções reparadora, equalizadora e qualificadora. Portanto, é uma modalidade que se insere num movimento amplo de renovação pedagógica e a iniciação científica proporciona a realização desse princípio, visto que propicia aos educandos o papel de sujeitos ativos no processo de construção do conhecimento.

Assim, objetivamos a socialização de um trabalho de iniciação científica desenvolvido com os educando do Centro de Educação de Jovens e Adultos (CEJA) “Prof. Milton Marques Curvo” de Cáceres-MT.

Os alunos foram estimulados a realizar as atividades de iniciação científica para depois expô-lo ao público (comunidade escolar, e eventos afins) possibilitando a estes uma experiência concreta com a produção de conhecimentos, sem ficar restrita a sala de aula. Por meio de uma prática metodológica diferenciada, explorando a cientificidade, trabalhamos a importância dos recursos hídricos, cujo objeto de estudo foi o rio Paraguai em Cáceres com foco para Água como condição de vida. Nesse sentido, foi dada evidência a necessidade de conservação e de preservação sustentável dessa fonte mineral, possibilitando a compreensão e conscientização dos alunos por meio da Educação Ambiental (EA).

De acordo com Bezerra (2009), a Educação Ambiental chama a atenção do mundo global, quando propõe o desenvolvimento de um cidadão com capacidade crítica e senso de responsabilidade  que saiba detectar e assumir os problemas coletivos que afligem a sua localidade.  Na perspectiva de buscar soluções dos problemas sociais e depois atingir os problemas socioambientais mais gerais.

Conforme Amorim (2005), os programas de Educação Ambiental devem ser elaborados, respeitando-se posturas, ideias e práticas que referendam as relações bastante fortes entre as ações educativas, condições sociais específicas e transformação da realidade vida, sujeitos, sociedade, ideologias etc. Respaldamo-nos nessa concepção para desenvolver o projeto, visto que, a educação ambiental deve ser tomada como uma ação educativa permanente, devendo ser enfocado as diferentes relações que os homens estabelecem entre si e com a natureza.

Os Parâmetros Curriculares Nacionais propõem a inserção da EA na matriz curricular como um tema transversal, isto é, ela não se constitui como uma disciplina isolada do currículo, mas permeia todas as áreas do conhecimento, considerando que a dimensão ambiental também engloba os aspectos sociais, econômicos e políticos. Partindo desses pressupostos, a realização deste projeto ocorreu em várias etapas, sendo a primeira, levantamento bibliográfico, onde os alunos foram para o laboratório de informática e biblioteca pública, pesquisar sobre os temas relacionados ao Rio Paraguai, Água e o Meio Ambiente. A segunda, palestra referente a esta temática com alunos do departamento de Geografia e Biologia da UNEMAT. Durante as palestras houve a participação dos alunos com diferentes questionamentos que contribuíram para a conscientização da necessidade de mudanças de hábitos e atitudes pertinentes aos problemas ambientais na escala global, regional e local.

 

2. Água Representará Vida para as Futuras Gerações

A água é de fundamental importância para a vida de todas as espécies é um recurso natural de valor inestimável. Mais que um insumo indispensável à produção e um recurso estratégico para o desenvolvimento econômico, ela é vital para a manutenção dos ciclos biológicos, geológicos e químicos que mantêm em equilíbrio os ecossistemas. É, ainda, uma referência cultural e um bem social indispensável à adequada qualidade de vida da população.

A água é um elemento composto por dois átomos de hidrogênio (H) e um de oxigênio (O), formando a molécula de H2O. É uma das substâncias mais abundantes em nosso planeta e pode ser encontrada em três estados físicos: sólido, líquido e gasoso.
"Aproximadamente 70% da superfície terrestre encontram-se coberta por água. No entanto, menos de 3% deste volume é de água doce, cuja maior parte está concentrada em geleiras, restando uma pequena porcentagem de águas superficiais para as atividades humanas" (VESENTINI, 2012, p.217).

Portanto, tudo isso reforça a ideia de que a disputa pela água potável deve ser uma das principais causas de conflitos no século XXI.

3. Ciclo da Água

O ciclo da água consiste no processo dinâmico de diferentes estágios da água. Para melhor compreensão deste ciclo podemos iniciar sua explicação através da evaporação da água dos oceanos. O vapor resultante das águas oceânicas é transportado pelo movimento das massas de ar. Sobe determinadas condições, o vapor é condensado, formando as nuvens, que por sua vez podem resultar em precipitação. A precipitação pode ocorrer em forma de chuva, neve ou granizo. A maior parte fica temporariamente retida no solo, próxima de onde caiu, e finalmente retorna à atmosfera por evaporação e transpiração das plantas. "Uma parte da água resultante, escoa sobre a superfície do solo ou através do solo para os rios, enquanto que a outra parte infiltra profundamente no solo e vai abastecer o lençol freático" (VESENTINI, 2012, p. 219). Portanto, a água está em constante movimento.

 

4. Água no Brasil

Afirma Vesentini (2012) que o Brasil é um país privilegiado com relação à disponibilidade de água, detém 53% do manancial de água doce disponível na América do Sul e possui um dos maiores rio do planeta Rio Amazonas. Os climas equatorial, tropical e subtropical que atuam sobre o território, proporcionam elevados índices pluviométricos. No entanto, mesmo com grande disponibilidade de recursos hídricos, o país sofre com a escassez de água potável em alguns lugares. A água doce disponível em território brasileiro está irregularmente distribuída: aproximadamente, 72% dos mananciais estão presentes na região amazônica, restando 27% na região Centro-Sul e apenas 1% na região Nordeste do país.

Portanto, o Brasil é o país mais rico do mundo em água doce. Além de ser abundante, a hidrografia brasileira conta com a vantagem de ter a água como fonte de energia renovável. Os rios são volumosos e, em sua grande maioria perene, isto é, nunca secam.

O rio faz parte do importante do ecossistema brasileiro e mundial, tem diferentes dimensões e localidades do planeta e são como uma correte de água permanente, que leva o excesso das águas continentais superficiais até os oceanos, mares e lagos. Muitas cidades brasileiras e do mundo estão situadas às margens de rios ou cortadas por eles.

Cáceres está localizada a oeste no estado do Mato Grosso, a 210 quilômetros da capital Cuiabá, tem uma população de aproximadamente 87.912 hab. Segundo o IBGE em 2010, faz fronteira com a Bolívia. Possui uma área de 24.398,399 km², suas Coordenadas são: Latitude 16º13´42´´, Longitude 57º40´51´´, Altitude: 118,00 m., Clima Tropical subúmido AW, A BR – 070 ligam Cáceres a Cuiabá. A cidade boliviana de San Matias está distante de Cáceres 96 quilômetros em rodovia pavimentada (PIAIA, 2003).

A “Princesinha do Rio Paraguai”, como Cáceres é conhecida, está localizada à margem esquerda do rio Paraguai. No século passado, grandes fazendas produziam açúcar, cachaça e carne. Jacobina, Descalvados, Barranco Vermelho, Ressaca e Facão são algumas das que transformaram a cidade, na época, em um grande polo do comércio internacional. Muitas delas, ainda de pé, desafiam o tempo como testemunho do poderio e esplendor do passado. A casa grande, a senzala, a capela com imagens trazidas da Europa, representam verdadeiros símbolos da pujança econômica do passado em pleno Pantanal.

A bacia do Paraguai é a nossa maior bacia genuinamente de planície. Seu rio principal, o Paraguai (2.700 km de extensão) nasce no Brasil e atravessa terras paraguaias e argentinas. No um período das cheias são responsáveis pela paisagem do pantanal Mato-grossense.  Favorável à navegação, faz a ligação do Paraguai com o oceano Atlântico (PIAIA, 2003).

O Pantanal encontra se na região Centro-Oeste distribuído entre os estados de mato grosso e mato grosso do sul. As regiões mais baixas, onde predominam gramíneas formadas por planícies, estão permanentemente alagadas.

As áreas que são inundadas na ocasião das cheias formam um verdadeiro mar interior, o mar de xaraés. O pantanal e recoberto por uma variada fauna e flora, com importantes rios e uma das maiores biodiversidades do planeta, sendo uma das maravilhas naturais do mundo.

O rio Paraguai nasce na Serra de Araporé, encosta meridional da Serra dos Parecis, no Estado de Mato Grosso. A região dessas nascentes se estende sobre uma chapada pantanosa, denominada de Brejal das Sete Lagoas, onde se verifica as separações das bacias hidrográficas da Prata e Amazônica. Nascem também nessa região os rios: Diamantino, Cuiabá, Sepotuba, Cabaçal e Jauru, que fazem parte da bacia da Prata e os rios Arinos, Parecis, Sangue, Papagaio, Buriti e Juruena, todos afluentes do rio Tapajós, da bacia Amazônica (PIAIA, 2003).

Seus principais afluentes são os rios: Sepotuba, Cabaçal, Jauru, São Lourenço, Paraguai Mirim, Pacú, Velho, Negrinho, Taquari, Abobral, Miranda, Novo, Nabileque, Negro (Bolívia e Paraguai), Branco, Tereré, Aquidaban e Apa, no território brasileiro. Os afluentes Ypané, Monte Lindo, Jejuí, Manduvirá, Piribebuy, Pilcomayo, Tebicuari e Bermejo são afluentes fora do território do Brasil (PIAIA, 2003).

Hoje, os maiores impactos ambientais estão na área de planalto nos afluentes do Paraguai, onde estão localizadas as monoculturas de soja, milho, arroz e cana-de-açúcar e a pecuária extensiva, que, em geral, com base no mau uso do solo, promovem desmatamentos, erosões, uso indiscriminado de fertilizantes e pesticidas que alteram a qualidade das águas e afetam a saúde ambiental desses rios.

A preocupação com a preservação do Rio Paraguai em Cáceres é antiga e envolve a comunidade em geral, a universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat) sempre participou de eventos buscando conscientizar a população sobre a importância de se ter cuidado com o rio.  Desde a Piracema, período em que os peixes iniciam a desova, um mutirão de limpeza das margens do rio em Cáceres.   Nos últimos anos a importância do Rio Paraguai e o manejo ambiental está ligado principalmente à educação, pois é a partir daí que se vai perceber o valor do desenvolvimento sustentável para garantia da vida.

O Rio Paraguai é um verdadeiro patrimônio ecológico, habitado por incontáveis espécies  de aves e peixes, tem uma vegetação exuberante e é um dos mais belos espetáculos da Terra.  Local exótico e de beleza exuberante, o rio é um cenário perfeito para esportes de aventura. O homem percebeu que os recursos naturais não eram inesgotáveis, como pensava. Teria uma coexistência equilibrada com o meio ambiente: se não houvesse uma relação de equilíbrio com o meio ambiente, os homens estariam ameaçados, assim como nosso planeta: os níveis de degradação regional atingiriam o nível global, com o fim da Terra.

Dentro do conceito de responsabilidade social está inserida nossa obrigação em relação ao meio ambiente: devemos protegê-lo, para garantir nossa subsistência e o futuro das próximas gerações. Diante deste contexto, foi realizada a segunda etapa do projeto  que foi duas aulas campo, que segundo Santos (2002), as contribuições da aula de campo de geografia, ciências e biologia em um ambiente natural podem ser positivas na aprendizagem dos conceitos à medida que são um estímulo para os professores, que veem uma possibilidade de inovação para seus trabalhos e assim se empenha mais na orientação dos alunos. Os alunos visitaram a margem esquerda do Rio Paraguai, no perímetro urbano, partindo da Colônia Z2 de pescadores de Cáceres-MT,  até a praia do Daveron.

Na visita a Colônia Z2 de Pescadores de Cáceres, os alunos receberam informações sobre a institucionalização da Colônia, criada através da Portaria nº 046 da Confederação Nacional dos Pescadores, em 03 de junho de 1982 e que possui mais de duzentos associados. Segundo Medeiros (1999) em Cáceres ocorre intensa atividade de pesca, que são representadas por três modalidades: a pesca de subsistência que faz parte da cultura local, a desportiva que tem apresentado crescimento nos últimos tempos, motivado pelo Festival Internacional de Pesca - FIP e, a pesca profissional que é exercida pelos associados à Colônia de Pescadores Z-2 de Cáceres. Portanto, os alunos puderam perceber que a pesca é extremamente importante para a população de Cáceres, pois além de oferecer alimento e lazer, é a base econômica para muitas famílias que dependem da pesca como fonte de subsistência. Para os pescadores a pesca tem grande importância para a população de Cáceres-MT, pois é a base econômica para muitas famílias de baixa renda que utilizam as águas do Alto Paraguai, portal do Pantanal Matogrosensse. Mas, reconhecem que rio Paraguai na percepção dos mesmos está ligada à questão de sobrevivência, enquanto oportunidade de pesca. Por outro lado, considera o rio sua vida, sua existência. Por meio do rio, criaram seus filhos, enfim, é uma fonte de renda e de vida.

Prosseguindo a aula campo às margens esquerda do rio Paraguai que  objetivou  na observação, descrição e análise de vários pontos, considerando que o ser humano tem enfrentado sérios problemas com relação à diminuição de água potável devido aos desmatamentos, poluição, erosão de encostas entre outras causas. Assim, visando desenvolver a consciência ecológica para a necessidade do manejo sustentável dos cursos hídricos, foi observado o local de captação de água do SAEC, bem como os processos erosivos e poluentes decorrentes da ocupação humana às margens do rio Paraguai no perímetro urbano do município de Cáceres.

Com o processo de urbanização, ocupação e uso do solo, a vegetação natural (mata ciliar) às margens do rio Paraguai foi desaparecendo e cedendo lugar as construções e moradias irregulares, porém consentidas pelo poder público. Com a retirada da vegetação o solo ficou exposto e diante da alta pluviosidade na região iniciou-se um processo de erosão na área, além da instabilidade provocada pelo movimento de massa que já danificou a rua além de rede de esgoto, água potável. Nesse sentido:

 

Os problemas relativos à erosão e a processos de movimentos de massa encontram-se presentes em vários lugares do mundo, mas em países cujo regime pluvial tem as características do ambiente tropical e cuja situação sócia econômica seja considerada como de subdesenvolvimento ou em desenvolvimento, os problemas tornam-se mais acentuados devido à escassa estrutura para evitar ou controlar tal fenômeno (GUERRA, 1994, p. 23).

 

 

Foi observada certa quantidade de lixo e todo resíduo sólido proveniente de atividades humanas ou mesmo de processos naturais como poeira, folhas e ramos mortos, cadáveres de animais.   Sabemos que o lixo urbano é um dos maiores problemas ambientais da atualidade, pois os moldes de consumo adotados pela maioria das sociedades modernas provocam o aumento contínuo e exagerado na quantidade de lixo produzido que indevidamente administrado provoca mau cheiro, fornece a proliferação de animais nocivos e transmissores de doenças (ratos, formigas, moscas e mosquitos), polui, pelo chorume, o solo e o lençol d´água subterrâneo e também o ar, uma vez que é prática comum a queima do lixo em ruas, lotes baldios e lixões.

O consumo cotidiano de produtos industrializados gera a contínua produção de lixo. Este presente nas cidades com intensidade que não é possível conceber uma cidade sem considerar a problemática gerada pelos resíduos sólidos, desde a etapa da geração até a disposição final. Nas cidades brasileiras, geralmente esses resíduos são destinados a céu aberto (IBGE, 2006).

Lixo é uma palavra latina (lix) que significa cinza, vinculada às cinzas dos fogões. Segundo Ferreira (1999, p. 20), lixo é “aquilo que se varre da casa, do jardim, da rua e se joga fora; entulho. Tudo o que não presta e se joga fora. Sujidade, sujeira, imundície. Coisa ou coisas inúteis, velhas, sem valor”. Jardim e Wells (1995, p. 23) definem lixo como “[...] os restos das atividades humanas, considerados pelos geradores como inúteis, indesejáveis, ou descartáveis”.

Também foi realizada coleta de resíduos sólidos recicláveis das margens do rio, com intuito de trabalhar os princípios dos três “erres” (Redução, Reutilização, Reciclagem), ou seja, gestão sustentável dos resíduos sólidos que se constitui como redução (do uso de matérias-primas e energia e do desperdício nas fontes geradoras), reutilização direta dos produtos e reciclagem de materiais inorgânicos.


5. O Tempo da Decomposição de Materiais Orgânicos e Inorgânicos

O tempo de decomposição de materiais orgânicos e inorgânicos é um poderoso instrumento de sensibilização que, invariavelmente, faz as pessoas pensar na sua responsabilidade individual com relação ao lixo. Há, porém, muita variação da informação. Isso se deve ao fato de que o tempo de decomposição deverá variar de acordo com as condições do solo ou ambiente em que os materiais foram descartados. De qualquer maneira esses dados são incontestes no que se refere ao fato de que o lixo continua existindo depois que o jogamos na lixeira e devemos, portanto verificar todas as possibilidades de reintroduzi-lo na cadeia produtiva da reciclagem ou de aumentar o seu ciclo de vida.

O plástico é um dos produtos inorgânicos mais utilizados na sociedade atual. Ao ser descartado por pessoas e empresas, pode passar por um processo de reciclagem que garante seu reaproveitamento na produção do plástico reciclado. O plástico reciclado tem praticamente todas as características do plástico comum. Essa prática de reciclar é de extrema importância para o meio ambiente.

Quando reciclamos o plástico ou compramos plástico reciclado estamos contribuindo com o meio ambiente, pois este material deixa de ir para os aterros sanitários ou para a natureza, poluindo rios, lagos, solo e matas. Não podemos esquecer também, que a reciclagem de plástico gera renda para milhares de pessoas no Brasil que atuam, principalmente, em empresas e cooperativas de catadores e recicladores de materiais reciclados.

Reciclagem é o ato de tornar útil o produto que seria descartado, fazendo com que retorne ao ciclo produtivo, reduzindo a utilização de recursos naturais. Muitos materiais podem ser reciclados e os mais comuns são o papel, o vidro, o metal e o plástico. Sabe-se que hoje a reciclagem movimenta bilhões de dólares no mundo inteiro.

E no Brasil não é diferente, pois visa economia de recursos naturais e preservação do meio ambiente, assim como, uma alternativa para economizar e contribuir para inclusão social, mas não basta apenas reciclar é necessário que a população mude seu comportamento, não continue desmatando, poluindo, jogando lixo, mas também diminuir o consumismo, desperdício e o acumulo de lixo, considerando a reciclagem um processo de restauração de fundamental importância.

Segundo Rodrigues e Cavinatto (2002, p. 27), as pessoas do mundo inteiro estão se preocupando mais com o meio em que vivem. Nota-se "uma tendência mundial de reaproveitamento dos produtos, antes jogados no lixo, para a fabricação de novos objetos, através dos processos de reciclagem, o que representa economia de matéria-prima e de energia fornecidas pela natureza". Desta forma, o conceito de lixo pode ser modificado, podendo ser entendido como coisas que podem ser úteis e aproveitáveis pelo homem. O Meio Ambiente é o que nos dá condição de existir.

Precisamos ainda reformular nossa concepção a respeito do lixo. Não podemos mais encarar todo lixo colo resto inútil, mas sim como algo que pode ser transformado em nova matéria prima, para retornar ao ciclo produtivo.

Refletindo sobre o lixo e o meio ambiente, foram realizadas atividades de reciclagem de alguns dos materiais inorgânicos coletados na margem do rio Paraguai, tais como garrafa pet, papelão, plástico.  Com alguns destes materiais foi feito uma oficina para confecção de bonecos com tampas de garrafas plásticas.

Criar objetos com material reciclado é como ter duas aventuras ao mesmo tempo. Uma leva a cuidar do planeta diminuindo a poluição gerada por plásticos, vidros e outros materiais que podem ser reciclados. A segunda aventura será a capacidade de usar a criatividade e imaginação para dar uma nova função e forma a estes materiais, porém é uma atividade que até mesmo pode ajudar na complementação da renda família.

Os alunos fizeram uma visita técnica ao Serviço de Água e Esgotos de Cáceres/SAEC; onde receberam informações sobre o funcionamento do sistema, especificamente dos procedimentos de captação, tratamento e distribuição da água para o município de Cáceres, informações estas que coadunaram para a reflexão sobre a necessidade de ampliação do sistema para atender de forma eficiente a demanda da população do município, além da conscientização da necessidade do consumo responsável para se evitar o desperdício.

Tratamento de Água é um conjunto de procedimentos físicos e químicos que são aplicados na água para que esta fique em condições adequadas para o consumo, ou seja, para que a água se torne potável. O processo de tratamento de água a livra de qualquer tipo de contaminação, evitando a transmissão de doenças.

Nós sabemos que desde os primórdios da humanidade o homem sempre se estabeleceu em locais próximos aos rios e mares, para garantir seu sustento através da pesca e da agricultura, temos como exemplo a história do Egito faz uma excelente demonstração desse fato, quando os homens, às margens do rio Nilo, fizeram os primeiros aglomerados humanos e construíram as primeiras cidades do mundo. Ali já se registrava o quanto o homem era dependente da água.

No decorrer da evolução da humanidade, a água passou a ser tratada com desrespeito, sendo poluída e desperdiçada. Por esses motivos, a ONU (Organização das Nações Unidas) criou o Dia Mundial da Água, em 22 de março de 1992, para promover discussões acerca da consciência do homem em relação a tal bem natural. E sabemos que grande parte das fontes desta água (rios, lagos e represas) está sendo contaminada, poluída e degradada pela ação predatória do homem. Esta situação é preocupante, pois poderá faltar, num futuro próximo, água para o consumo de grande parte da população mundial. Pensando nisso, foi instituído o Dia Mundial da Água, cujo objetivo principal é criar um momento de reflexão, análise, conscientização e elaboração de medidas práticas para resolver tal problema.

 

6. Considerações Finais

Nesse sentido, esse trabalho teve a finalidade de instigar através da pesquisa com os alunos participantes das atividades em sala de aula, bem como, de aula campo, os possíveis impactos ambientais causados com a expansão urbana de forma desordenada ocorrida em Cáceres, à necessidade de minimizar os impactos causados pela deteriorização do espaço urbano.

Sabedores que grande parte da população cacerense utiliza o rio Paraguai, nas mais diversas atividades como lazer, pesca consumo, contemplação, transporte, etc., torna-se necessário proporcionar aos alunos a conscientização da necessidade da preservação e conservação, pois o uso de maneira inadequada, através dos resíduos e dejetos que são depositados às margens e no leito do rio, polui diretamente essa fonte mineral.

A questão ambiental agrega realidade contemporânea de caráter inovador, por sua capacidade de relacionar realidades até então, aparentemente desligadas, de mostrar a universalidade embora com variações dos problemas ambientais contemporâneos e por alertar para necessidade de promover mudanças efetivas que garantam a continuidade e a qualidade da vida ao longo prazo.

Diante do exposto, ressaltamos que as atividades desenvolvidas propiciaram contemplar os objetivos do projeto, uma vez que, os alunos demonstraram interesse e compromisso com a necessidade do correto uso dos recursos hídricos, utilizando com moderação e responsabilidade ambiental, evitando o desperdício e ainda que não se deve comprometer ainda mais a qualidade da água, essencial à vida humana.

No entanto, a educação ambiental vem sendo abordado nas escolas como um espaço de construção e produção de conhecimento, haja vista que, a prática educativa deve favorecer a compreensão da realidade e a responsabilidade  de todos com preservação e mudança significativas do meio ambiente. Como diz Paulo Freire (1987), conscientizar só  faz sentido se for um  processo de mútua aprendizagem pelo dialogo, reflexão e ação no mundo. Quanto à educação formal, devemos considerar que esta deve proporcionar uma educação que transcenda a transferência de conhecimento. “A educação é comunicação, é diálogo, na medida em que não é transferência de saber, mas um encontro de sujeitos interlocutores que buscam significação e significados” (Freire, 1977, p.69). Assim, esta busca por significações e significados gera novas concepções acerca da vida e do mundo.

Enfim, Todos já ouviram dizer que, nosso planeta é Terra, mas poderia muito bem se chamar Água, já que ela cobre a maior parte da superfície. Porém, isso não significa abundância de recursos, já que boa parte da água está congelada nos pólos ou é salgada.

A realidade é que: segundo a ONU, metade da população do planeta sofre com falta de água. E nem mesmo o Brasil está fora de perigo, por isso, mais que nunca economizar é fundamental.

 

Referências Bibliográficas

 

AMORIM, A.C.R. Educação. In: Desvendando e Desvelando Conceitos. Brasília-DF: Ministério do meio Ambiente, 2005.

 

BEZERRA, D.O.S. Educação Ambiental não formal: A práxis coletiva dos pescadores artesanais no rio Paraguai/Cáceres-MT. São Carlos-SP, 2009.

 

BRASIL. Lei N° 9.795, de 27 de abril de 1999 – Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental. Brasília: MEC, 1999.

 

FERREIRA, A. B. de H.. Dicionário Aurélio meletrônico século XXI. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999. 1 CD-ROM.

 

FREITAS, M.L.D. Água. In: LEROY, Jean-Pierre (Org) Brasil 2002: a sustentabilidade que  queremos. Rio de Janeiro, 2002.

 

FREIRE, Paulo.Pedagogia do oprimido, 17ª. ed. Rio de Janeiro, Paz e Terra,

1987.

______. Extensão ou comunicação. 10 ed. Tradução de Rosisca Darcy de Oliveira. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

 

______. Conscientização: teoria e prática da libertação – uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. 3 ed. São Paulo: Moraes, 1980.

 

Fórum das ONGS. Meio Ambiente e Desenvolvimento: uma visão das ONG's e dos Movimentos Sociais Brasileiros. Rio de Janeiro, 1992.

 

GUIMARÃES. Mauro. A dimensão ambiental na educação. Campinas, SP: Papirus, 1995. (Coleção Magistério: Formação e Trabalho Pedagógico).

 

IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial. Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 dez. 2010.

GUERRA, A. J. T. Processos erosivos nas encostas. In. _____. Guerra, A. J. T.; Cunha, S. ed. Geomorfologia: uma atualização de conceitos e bases, Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1994, Cap 1, p. 23-50.

 

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Censo 2000. Indicadores de desenvolvimento sustentável: disposição de resíduos sólidos urbanos. Disponível em: <http://www.Ibge.gov.br>. Acesso em: 10 nov. 2004.

 

JARDIM, N. S.; WELLS, C. (Org.). Lixo Municipal: Manual de Gerenciamento integrado. São Paulo: IPT: CEMPRE, 1995.

 

MEDEIROS, H.Q. de. Impacto das políticas públicas sobre os pescadores profissionais do pantanal de Cáceres, Mato Grosso. Dissertação. São Paulo: USP, 1999.

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS – PCNs. MEC, Brasília, 2000.

 

MENDES, Natalino Ferreira. História de Cáceres: História da Administração Municipal. Cáceres-MT, 1973.

 

______. Memória Cacerense. Cáceres: Carlini e Carniato,1998.

 

PIAIA, Ivane Inêz. Geografia de Mato grosso. 3ª Ed. Cuiabá: Edunic, 2003.

 

RODRIGUES, Luiz Francisco; CAVINATTO, Vilma Maria. Lixo. De onde vem? Para onde vai? São Paulo: Moderna, 2002.

 

SANTOS, S. A. M. A excursão como recurso didático no ensino de biologia e educação ambiental. In: VIII ENCONTRO PERSPECTIVAS DO ENSINO DE BIOLOGIA, 6, 2002, São Paulo. Anais... São Paulo: FEUSP, 2002. 1 CD-ROM.

 

 

 



[1] Professores atuantes no Centro de Educação de Jovens e Adultos "Professor Milton Marques Curvo" - 2012.

 

Agenda da Educação

Setembro 2014
D 2a 3a 4a 5a 6a S
31 1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 1 2 3 4

Enquete

Que tipo de Formação Continuada você gostaria de receber do CEFAPRO?
 
Free template 'Feel Free' by [ Anch ] Gorsk.net Studio. Please, don't remove this hidden copyleft!